Upravit stránku

Corridas

“Um dos milagres do mundo: um cavalo a todo o galope. Venham a gozar – grátis – ao hipódromo de Breslávia. Assim como durante milhares de anos antes, também hoje os cavalos competem qual é o mais rápido e cumprem os sonhos dos seus proprietários, criadores e treinadores. Na meta se verá a verdade. As relações mais exitosas entre o cavaleiro e o cavalo são tais que alcancem um nível superior à simbiose. As corridas de cavalos são a modalidade mais exigente do desporto equestre. Com velocidades de mais de 60 km/h, cada falta é castigada cruelmente. Admiro os jóqueis que ganharam centenas de corridas. Admiro também os animais. Apostem a eles. A aposta sempre retorna – em forma da incrível montanha russa de emoções.” Jerzy Sawka, diretor executivo do hipódromo de Wroclaw. 

CORRIDAS DE PUROS-SANGUES 


O cavalo puro-sangue é um fenómeno no âmbito da sua espécie. Graças à cultivação personifica a qualidade superior. O puro-sangue é um animal enérgico, harmonioso e belo. O motivo principal da sua criação são as corridas. Desde há muito tempo, o homem está a desenvolver a rapidez natural do cavalo pelo cobrimento das parelhas mais eficazes. O cavalo rápido tem uma vantagem de evolução: foge dos predadores. Os puros-sangues foram cultivados há mais de trezentos anos nas Ilhas Britânicas. Os seus antepassados eram três cavalos orientais cruzados com éguas de corrida locais. Atualmente, os puros-sangues dominam em todas as corridas do mundo. Os melhores indivíduos não se vendem. Ficam para a criação e ganham milhões de dólares por ano aos seus proprietários.

Os cavalos realmente extraordinários têm os seus monumentos no mundo inteiro. A gente expressa os seus nomes com o respeito normalmente dedicado aos heróis: Secretariat, Northern Dancer, Galileo. Também a Polônia tem os seus heróis de puro-sangue. O primeiro que ganhou a fama foi Ruler que pertencia ao duque Ludwik Krasiński. Ruler vencia regularmente cavalos de aristocratas russos ricos. Na época do comunismo, uma carreira excelente era de Pawiment de Iwno. Ganhou o Prémio Europeu na Colônia, Alemanha. Era incansável: durante uma temporada participou em 14 corridas de três continentes: Europa, América do Norte e do Sul. O único cavalo polaco que participou na corrida mais prestigiosa do mundo Prix de l’Arc de Triomphe de Paris. Ficou no quinto posto entre 22 cavalos. O reformado Tiumen pasta nos prados checos (vide a imagem). Este cavalo criado em Moszna ganhou três vezes seguidas a corrida mais difícil do mundo: A Grande Steeplechase de Pardubice. Durante os 140 anos, somente seis cavalos lograram o mesmo.

JÓQUEIS

No Oeste, os jóqueis são famosos igualmente como os futebolistas ou atores. O jóquei irlandês Tony McCoy ganhou 4357 corridas. É o recorde absoluto. Todos aficionados de corridas conhecem o seu nome. O nosso Mieczysław Mełnicki, estrela da época comunista, ganhou mais de 1700 corridas de traçado reto. Dominava nos hipódromos polacos e alemães. A sua especialidade era ganhar com cavalos que até os treinadores consideravam uma miséria. Mełnicki iniciou a carreira em Breslávia e continuou em Służewiec, Varsóvia. Szczepan Mazur escolheu a mesma carreira, um rapaz de Księginice perto de Wroclaw, atualmente o jóquei polaco mais talentoso. Szczepan participa com êxito em corridas nos Emirados Árabes Unidos. Se você deseja montar cavalos de corrida, necessita muita coragem e talvez um pouco de loucura. Os jóqueis são semelhantes aos pilotos de fórmula 1.

PROFISSÃO: CAVALEIRO

Pela primeira vez na história, o sistema educativo polaco começou a oferecer a possibilidade de aprender a ser cavaleiro. É graças ao esforço comum do Hipódromo de Breslávia e da Federação Equestre Polaca. Por isso em Krzyżowice, perto de Wroclaw, existe um centro de aprendizagem profissional. Assim nos unimos às potências equestres como França, Alemanha, Reino Unido, República Checa, Hungria, EUA e África do Sul, onde a arte equestre é ensinada há muitos anos.

PROPRIETÁRIOS

Se não existissem proprietários das cavalariças que enviassem os seus cavalos aos concursos, não existiriam corridas de cavalos. São praticamente o sal da terra das corridas. A equitação é a sua paixão, gostam da adrenalina. E os cavalos sentem isto – por isso desenvolvem o máximo esforço para ganhar. Os cavalos no nosso hipódromo pertencem à artistas e empresários. O ator Bogusław Linda tem Breg; Marek Siudym, outro ator, tem Tasmania; à cantora Anna Jurksztowicz e ao compositor Krzesimir Dębski pertence Normana; Tomasz Misiak da empresa Workservice é proprietário de Mankindo; Krystyna Łukasiewicz da sociedade Look Finansowanie Inwestycji tem Sang Jang; Tadeusz Sieradzki do Miotorpol tem Zryw, Zew e Zarra. E parece que têm boa sorte: os seus puros-sangues já ganharam vários títulos.